A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.




        

A expansão ultramarina ibérica e sua influência na cartografia do século XVI: os exemplares de Juan de la Cosa (1500) e de Cantino (1502)
Iberian overseas expansion and its influence on the cartography of the sixteenth century: the copies of Juan de la Cosa (1500) and Cantino (1502)


Lucas Montalvão Rabelo
Doutorando em História pela Universidade de São Paulo, mestre em História pela Universidade Federal do
Amazonas e membro associado do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós (IHGTap).


RESUMO
O presente artigo destina-se a apresentar uma proposta de análise imagética das visões ibéricas no momento inicial de composição de mapas-múndi a partir do conhecimento das novas terras no Ocidente, o chamado Novo Mundo. Para isso, busca-se realizar uma comparação das características particulares provindas do contexto social dos cartógrafos para ir além de um estudo centrado apenas no produto cartográfico, sem considerar o contexto histórico específico dos indivíduos produtores e de suas sociedades. Esta forma de estudo é baseada na metodologia proposta para os estudos da História da Cartografia buscando uma desconstrução dos objetos cartográficos. Assim, comparar o mapa do espanhol Juan de la Cosa (1500) e o exemplar português anônimo conhecido como Mapa de Cantino (1502) possibilita a analise das imagens construídas a partir de visões políticas diversas que estariam relacionadas aos interesses tanto da Coroa de Castela quanto da Coroa de Portugal – incluindo seus súditos – após a assinatura do Tratado de Tordesilhas, em 7 de junho de 1494.

PALAVRAS-CHAVE: Tratado de Tordesilhas; Grandes Navegações; Renascimento; Juan de la Cosa; Alberto Cantino

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)
ABSTRACT
The present article aims to present a proposal for an imaginary analysis of the Iberian visions in the initial moment of map composition from the knowledge of the new lands in the West, the so called New World. For this purpose, a comparison of the particular characteristics of the cartographers’ social context is carried out in order to go beyond a study centered only on the cartographic product, without considering the specific historical context of the producing individuals and their societies. This form of study is based on the methodology proposed for the studies of the History of Cartography seeking a deconstruction of cartographic objects. Thus, comparing the map of the Spanish Juan de la Cosa (1500) and the anonymous Portuguese exemplary known as the Cantino map (1502) makes it possible to analyze the images constructed from diverse political views that would be related to the interests of both the Crown of Castile and of the Crown of Portugal – including his subjects – after the signing of the Treaty of Tordesilhas, on June 7, 1494.

KEYWORDS: Treaty of Tordesillas; Great Navigations; Renaissance; Juan de la Cosa; Alberto Cantino